quarta-feira, 30 de agosto de 2006

1 - HISTÓRIA AINDA SEM TITULO

Ainda não eram 10:30, quando aterrei no velhinho aerodromo de voos domésticos chamado Ota. Fiquei impressionado com o estado de degradação a que tinha chegado, fez me lembrar um simulador que tive quando era miudo, em que podiamos escolher os aeroportos onde aterrar, e eu escolhia sempre os de África e América do sul, em contraste com os suptuosos e ultra-modernos de Changai, Pequim e Nova Deli. Fazia exatamente 9 anos que tinha saido da Provincia Portuguesa Europeia rumo á grande potência e a terra das oportunidades, a India. No meu passaporte electrónico constava ainda: nome: Peco Guimarães de Sousa, idade: 37 anos, Nacionalidade: Europeia, Provincia: Portuguesa, Local de residência: Setubal, emitido em: 3 de Fevereiro de 2068, válido até: 3 de Fevereiro de 2098. E foi este facto que me permitiu poupar no minimo 10 minutos para sair do aerodromo. As filas dos não Europeus eram de cerca de 2 horas, visto serem muitos a procurar trabalho por estas bandas. Ainda não sabia bem o que vinha cá fazer, mas assim que soube do acontecimento, não conti este impulso que me trouce até aqui. Talvez a procura de um familiar ou um amigo que tenha sobrevivido, ou apenas uma curiosidade morbida ou um chamamento patriótico. Dirigi-me para Santarém, pelo taxista fiquei a saber que o saldo dos mortos já rondava as 7500 pessoas, mas devido ao nível das aguas do Tejo ainda havia muito por contar. Na entrada do estádio "Cristiano Ronaldo" eram milhares de pessoas amontuadas, enrroladas em cobertores, umas com feridas exteriores e certamente todas com mazelas interiores que não se viam mas quase que se podiam cheirar no ar. No local que se autodenominava "Ponto de encontro" esperavam umas dezenas de pessoas á procura dos seus familiares, aos quais me juntei. Cada um apenas podia chamar aos altifalantes por três pessoas desaparecidas, lembrei-me do meu irmão o Lui, a Torina e o Xado um amigo de infância.
- Xado, estás bem?
- Há quanto tempo não te via, Peco.
- Está mais alguêm contigo ?
- Não.
- E Lisboa, como é que ficou?
- Após o terramoto, ficou pouca coisa de pê, e o Tsunami fêz o resto.

(continuação) quem quiser continuar a historia ponha no titulo 2,3,... - HISTÓRIA AINDA SEM TITULO

1 comentário:

paveia disse...

tá difícil este desafio...
:)