quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Ninguém reclamou!

Pois, finalmente já chegamos aos 10.000 e o prémio não foi reclamado, terminado o prazo, que é hoje à meio noite fica registado que para o prémio fica acumulado para os 15.000, esperando desta forma poder dar o prémio a quem o reclamar e, claro, tiver o respectivo comprovativo, até lá PARABÉNS ao BLOG e aos queridos COLABORADORES.

Quinta-feira e já se brinca ao Carnaval


quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Deixem-me trabalhar!

Mais um dia e o sol já brilha...Levanto-me faço o pequeno almoço para os ninos: torradinhas e leite com chocolate, o costume, enquanto comem assistem à bonecada do costume ao som dos meus gritos para que se (o gus) despache que já são horas de ir para a escola, que vai chegar atrasado, que amanhã não há mais bonecos, que....o costume. Depois de saírem ele e o pai, junto-me calmamente a tomar o meu pequeno almoço com o mais novo enquanto vemos o Noddy, e lá vou explicando a história não vá ele não perceber até que ele farto de me ouvir levanta-se num ápice e desliga a televisão, o costume. Nos dias que vai para a escola é a minha liberdade com deveres pendentes: ir às finanças, tratar da casa da mãe, ir ao banco e mais umas quantas secas que eu vou insistindo em apontar, como de costume, a fim de me responsabilizar mas que tem sido -hoje não é o dia, tenho que ir almoçar aqui ou ali, vou visitar alguém, ora porque está sol , ora porque chove, ora porque Não. Não quero, nem sequer me apetece e não me quero forçar a nada eu Mereço esta folga de algumas coisas desinteressantes. Seguem-se as compras para o jantar, o ir buscar as criaturas à escola, os trabalhos de casa, a janta e a deita UFA! O costume todos os dias. E não trabalho??!! O que eu mais quero é voltar a trabalhar.


terça-feira, 29 de janeiro de 2008

solo & empty

não sei.
sem ela não faz sentido
a vida.
aqui ficou o vazio
aqui fiquei eu, no vazio.

o carnaval vem mais cedo
vou tentar o sorriso
colocar essa mascara
até entender.

amar:
é deixar livre

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008




NO BAÚ DE UMA TRINTONA - XI

"... o que outrora ambicionava para todo o Bando, tinha agora só para si; aprendera a voar e não lamentava o preço que pagara por isso. Fernão Gaivota descobriu que o tédio, o medo e a ira são as razões por que a vida de uma gaivota é tão curta, e sem estas razões a perturbarem-lhe o pensamento, vivem de facto uma vida longa e feliz..."
Fernão Capelo Gaivota, Richard Bach.

Para mais tarde recordar...

a oito mil kilometros

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Desafio : Num Fim de Semana...


Sol, calor, manto branco, muita cor e diversão, pistas, subir e descer, trenós, discos e pás, altitude, fim de dia, cansaço, vinho, queijo e pão sobre a mesa, no sopé da serra mais bonita de Portugal. Duas noites, três dias sugestão de fim de semana.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

NO BAÚ DE UMA TRINTONA - X

"... não sei o que pensar, sentir; serei diferente?? será assim tão dificil?? Não consigo, mas porquê?? Complicado, ou complico uma coisa tão simples e natural. Não consigo. Não sei o que pensar nem como pensar ou resolver o problema. Mas será mesmo um problema, ou estarei eu a fazer disto um problema. Macaquinhos no sotão?? Como os limpar?? Vou dormir e talvez desta forma resolver. Sim adormecer e sonhar. Sim, é isso, já estou cansada e nada consigo resolver a não ser colocar mais macaquinhos arrumadinhos no sotão!..."

domingo, 20 de janeiro de 2008

" nascimento "

dia 3 á tarde, tipo ás 6h, fui á médica, que me fez um toque um pouco forte, penso que para despoletar o processo, mesmo...
depois fomos jantar fora a um sitio optimo que adoramos..umrestaurante frances chamado 'le gout au vin' á frente da assembleia da republica, nem é muito caro, e tem uma qualidade gourmet...entao, estamos neste restaurante, onde só tinhamos ido uma vez para celebrar um ano de casados...
e eu sem saber estava a fazer a dilatação!
doia-me um pouco, mas era suportável.
Ainda fomos para casa de autocarro, caminhando do restaurante até santos...Em casa, por volta da meia noite, deitamo-nos e eu comecei a ter dores a intervalos regulares...de 5 em 5 minutos, com a duraçao de 40 segundos cada.
Mas suportavel.
E eu disse ao Miguel: vamos ao hospital ver o que isto é. O mais certo é voltar para casa, mas já que ando com insónias, embora lá, quefazemos tempo...E ele : deixa-me só acabar de ver o CSI!
Era para eu rir, claro!
Desejosos estavamos nós que fosse hoje!
Chamámos um taxi e lá fomos. O taxista era simpático, fomos á conversa o tempo todo, e ele foi devagarinho.Entrámos nas urgencias da estefania ás 00:30m...E estava só eu. Fui logo atendida, depois de algumas contracçoes mais fortes...Parecia que o Hospital estava ali só para nós.
As contracções sabiam muita bem, porque pensei que podia ser mesmo agora que ia começar a viagem!
A cada uma que vinha eu ficava a sentir-me protagonista da coisa maisincrivel da minha vida: ir dar á luz uma pessoazinha nova.Eu até desejava cada contracção. Nunca contrariei nem pensei que queria que a dor passasse. Conscientemente eu sabia que aquilo me levaria a um fim de modo que nunca perdi o controle.
Fui vista por uma médica e um médico, apresentei a minha história e expliquei que pelo sim pelo nao tinha vindo até ao Hospital.. Ele viu-me e disse : Ai, pois está, está! Fez bem em vir, está com 5 para 6 cm de dilatação. Vai subir para a sala de partos.
Telefonei aos meus pais a dizer que devia ser hoje. O meu pai é médico na estefania e foi logo para lá. Eu disse lhe, olha pai isto deve serhoje, estou com meia dilatação e nem quero epidural, vai ser hoje. E ele : Ai queres queres! Vou ligar para as anestesistas, e vou já para aí.
Subimos, e o Miguel veio comigo. Ele assistiu ao parto, esteve ao meu lado o tempo todo! Até o mandarem para casa, no fim...porque nao podia dormir lá.
Lá em cima entrei na sala de partos, puseram me a soro e um oxigeniozinho no nariz muito agradavel que relaxava.
Vieram as anestesistas e perceberam que eu nao tinha feito consulta de anestesia...E ia ser dificil.. Mas eu disse que não queria epidural.Nao queria porque tinha medo que me parasse a dilataçao e eventualmente me atrasasse o processo que eu estava a ansiar há muito tempo.
Só de pensar que poderia atrasar o momento ... preferia mil vezes as dores. Explicaram-me que eram muito pro, e que isso nao iria acontecer... iam dosear muito bem...
E eu...Bem eu gostava de tentar naturalmente...Se de facto nao conseguir e me descontrolar, entao talvez ate queira epidural... Se isso fôr bom para o parto...Mas á primeira contracção mais forte (depois de um toque que viram que ja tava com 7 dedos) comecei a dizer ...AI, afinal quero epidural, quero epidural..
A dor passa e eu... Quer dizer, se calhar nao quero, nao... Não quero epidural e ponto final. Quero despachar isto e nada que o possa atrasar eu quero.
E a anestesista: Tudo bem, nós estamos aqui e podemos dar-lha sempre que quiser, ok?
E eu ok, deixem-me entao ver até onde eu aguento... se nao aguentar eu peço.E com isto fui avançando... A cada dor eu dizia... eu aguento, vamos lá. Deem me agua, por favor, Miguel! dá-me uma compressa para eu chupar...
De repente na sala só estava uma enfermeira chefe que parecia uma barbie de 60 anos, que passou o tempo todo sentada a escrever. as duas anestesistas á minha esquerda, a fofocarem sobre ferias no brasil e outras futilidades que devia ser para me distrair, mas eu achei muito sem saborão... e uma enfermeira muito nova, dos seus 23 anos... que meia fazendo o toque e dizendo - tem um rebordozinho, vamos esperar mais um pouco...
-Ela está-se a portar muito bem.. ouvi dizer de vez em quando.. sim senhor! é preciso ter coragem!
e eu : é preciso querer ter este parto...(se voces soubessem há quanto tempo estou á espera)
Pedi a agua e la conseguiram que alguem arranjasse um copo de plastico. deram no ao miguel. nao era a compressa como eu tinha pedido! o Miguel leva o copo á boca e todos! e pá o pai é que bebe! a água era para a mae, mas ele tambem quer! jocosas...e nessa fracçao da frase o que o miguel tinha feito era encher a boca de agua e dar-me á boca como fazem os passarinhos.
foi lindo!
Eu com o calor e com a animalidade a subir-me á flor da pele, tiro aparte de cima da bata, fico so com esta enfiada no braço direito , o do soro...e com um lençol sobre a barriga, que ora me tapava, ora me deixava a descoberto. Imagino.. o meu corpo enorme sobre uma mesa, a contorcer-se sem posiçao quando vinham as contracçoes... a falar a comunicar com a sala... a dizer 'está quase, está quase!' e cálculo que isto tenha irritado uma estagiaria que passava por mim frequentemente e compunha-me as vestes, até que me diz arrogante: tape-se! tem mesmo QUE estar assim? (e emenda para uma compostura mentirosa) quer mesmo estar assim? e eu SIMM está um calor dos diabos! nao me importa!
gritei!
Mas nao me descompuz... e aquilo para mim fazia parte do modo como queria parir: queria estar toda nua e nao com aquelas batas ridiculas de feias...
parecem um colete de forças dos maluquinhos... Eu já tinha visto videos de partos e parece-me muito confortavel estar-se nua. No dia seguinte escrevi umas coisas sobre a nudez, tenho que inserir aqui...
Entra outra vez a medica de 23 anos la vai fazer um toque... e dizer ainda tem um rebordozinho.. e eu faço força? e ela? sim, se quiser pode fazer... insegura...
e eu... nesta altura, já com 10 dedos, mas com um rebordozinho, e com contracçoes valentes...já nem pensava em epidural...so pensava em que estava quase a acontecer! mas estava a custar um pouco e eu sabia que agora é que ia ser aquele esforço final...
e as dores eram tipo uma dor de dentes tao forte que só queres arrancar o dente e a modos que alivia se carregares no dente ou na gengiva....
Nesse contexto eu disse, depois de ela ter feito um toque daqueles que metem a mao toda lá dentro e sentem a cabeça do bébé...e depois de nomeio desta confusao ja me terem cortado as águas com uma tesoura de modo a dar contracçoes daquelas super FORTE...!
Neste contexto eu digo á miuda,,, ai nao se vai embora! nao pode meter a mao outra vez lá dentro!!? E ela ri-se nervosa, com cara de parva, embasbacada, como quem diz 'esta mulher ou é fufa ou é maluca! e diz tudo o que lhe vem á cabeça!' ri-se , cala-se tudo (as outras senhoras que tagarelavam alegremente sobre tudo e mais alguma coisa, carros das filhas, ferias, saldos, yo qué sé!) a enfermeira-chefe - barbi de 60 anos, levanta os olhos do que está a escrever, como se de repente algo finalmente fosse digno do seu interesse ... e a miuda... sai de o pé de mim embasbacada... e eu pensei.. bolas! lá se foi...
Mas até foi porreirinha porque depois voltou... naquela que vinha fazer outro toque de rotina e nao aceder ao meu desejo de parturiente... e lá fez a manobra ou massagem no colo ou lá o que é , e de facto era tipo uma massagem de dentro para fora, que estimulava a vontade de fazer força.
Nesse intervalo em que a miuda saiu da sala, as duas anestesistas começam a conversar com a barbie chefe, sobre mim... ou melhor, sobre o meu passado obstétrico... eu a ignorar.... mas, naquela de me distrairem poem se a perguntar , ao certo o que é que as gemeas tinham!!! as minhas gémeas!!!!
passei-me! e gritei furiosa: olhem podemos NÃO conversar sobre esse assunto AGORA!!?? enfatizando que era um momento muito importante para mim e nao era de todo adequado estar a trazer á baila aquele assunto! Sairam da sala as duas. Andavam sempre aos pares..
Entrou outra equipa... os medicos que me tinham atendido nas urgencias la em baixo.
Começam a dizer é agora, pode fazer força que o bebe vai nascer.e começa o processo da força...
terá durado uns 15 a 20 minutos.
Eu apertava a mao do miguel... mudei de uma posiçao de costas elevadas, para ter as pernas numas perneiras..e la disseram para fazer força como quem faz cócó...o que é facto é que uma pessoa nao faz bem essa força porque tem medo que saia de facto coco, á frente de 10 pessoas...inclusive o marido!
e entao cansei me imenso a fazer força errada...
até que a dor era cada vez maior, cada vez maior, porque o bebe ja estava a passar a bacia...e eu: parem tudo! tenho de fazer xixi!!! e de facto eles disseram, temos de algaliá-la porque a bexiga está a atrapalhar.... e eu : tem mesmo que ser? e eles, isto não dói! lá fizeram aquilo, nao se sente nada... e depois ardeu... tiraram... e eu já nao tenho a algália? e eles... já não... e eu , que alivio! penso que aquilo deve ser super desconfortável....
Mais 7 minutos de faça força! faça força! todos a torcerem! mas diziam, não é na garganta...é lá em baixo! é lá em baixo!!
O miguel diz que eu estava tipo a inchar um papo debaixo do queixo, e a ficar com o pescoço todo vermelho...
até que dei dois gritos-os mais altos que consegui para exprimir a vontade que tinha de me libertar daquela situaçao e de soltar o bébé...o meu irmao que estava lá fora, na rua, disse que ouviu uns gritos que até se arrepiou todo...que pareciam do poltergheist! ah! ah! é que dei mesmo aqueles gritos à filme de terror! soube muita bem e serviu para me colocar tipo loba acima daquelas pessoas todas, compostas que nao estavam a rodear...serviu para eu encontrar a minha animalidade....eu cuja nudez e enormidade naquele momento nao seriam propriamente o canon de beleza feminina das revistas de moda!
Ali apercebi-me que estava prestes o momento...
Pedi á equipa: por favor avisem quando vier uma contracçao para eu fazer força a favor. a proxima é que é , juro... porque eles esmoreciam cada vez que nao era...
Faça força! faça força! Oh! nao está a fazer....
Soube bem sentir a mao e o apoio do miguel ali ao lado, que me conhecia e me dava valor... e as vezes servia de interprete...e eu seguia o que ele dizia, sendo o mesmo que o medico dizia... tipo segurar umas barras com as maos, e fazer força na barriga... E eu... a mentalizar-me... a sentir-me cada vez mais a estalar! a sentir, e lembrei-me do que me disse a AnaCris em Sintra: quanto voce sentir que está a morrer, o bébé está a nascer!
pensei, já fiz este caminho, deixa ver, como é o resto.. bora lá! nunca tive medo, nunca tive vontade de voltar para tráz... é tipo quando dás um salto da 4ª prancha numa piscina de saltos... vais atrás ganhar balanço...corres para o precipicio e tens de saltar! nao vais ficar no ar, tipo desenho animado a correr no ar!
então perdi a vergonha de fazer coco á frente daquela gente e comecei a fazer a força bem...que é imaginar que vou mesmo fazer caca á frente e na cara daquela gente toda!! puxa!
e não que era esse o truque? se eu soubesse ja tinha feito á mais tempo! aqui foi optimo receber um elogio deles, é isso mesmo! está a fazer bem está a fazer bem!
e nisto uma dôr lancinante que devia ser o anel de fogo... e aí senti-me desintegrar em particulas. aí já eu estava pulverizadaem átomos espalhados pela sala toda... deixei-me levar pela magia e sensação total que aquela dôr me fazia... estava acima da dôr fisica... estava a diluir-me no ar... estava etérea e já nao sentia mais dor nenhuma...descansei pensando: deve ser isto...
e eles...-Deixa vir por si....dizem calminhos. acalmam-se. oiço barulhos de ferros a fechar. começam a mudar a mesa de parto, mudam as coisas, fecham outras. Algures pelo meio eu digo vejam se nao tem circular! o meu irmao tinha circulares ao pescoço, e eles quem? e eu o meu irmao!!! pelo sim pelo nao disse isto..e de facto o bébé tinha ocordão tipo cinto de segurança...eles metem-no para dentro, metem o clampo e cortam o cordao antes do bebe sair todo...
nesta parte já estava eu aliviada e a saber que estava quase a sentir aquela coisa do bébé escorregar todo tipo um peixe ou uma lula, de dentro de mim cá para fora...
Saiu. puseram-no na minha barriga e eu passei-lhe a mao pelas costas... humidas e rugosas porque eles nascem quase so pele e osso... ele vinha super humido super quente, a pulsar vida!!! e eu tinha a mao dada ao miguel, e lembrei-me de estar com ele e senti uma enerigia fortissima de calor de fogo ali entre nós...
Eu que estivera de olhos sempre fechados, abri um bocadinho e vi obébé a ser levado para a mesa ao lado. e só perguntei:o bébé está bem? o bébé está bem?
e eles.... está tudo bem com o bébé,,,,
e ouvi-os a ditarem as medidas e o peso...e percebi finalmente a função da barbie de 60 anos... apontar num papel as medidas do bébé...
neste momento o miguel dá-me um beijo na boca, e ficamos assim enconstados a sentir um grande fogo ... uma grande força... uma grande vitória..
.entao meu pai e fica ali ao meu lado, durante a dequitadura...e coserem-me...e eu au! au! aquilo aleijava mais que o parto! e ele: -nao quiseste a picada da epidural! agora sentes estas picadas!!
e eu: fui valente papi? e ele...tu és maluca, filha! mas portaste te muita bem! agora vou embora, vou mandar mensagens a toda a gente a dizer: os pais e o bébé estão bem, o avô nem por isso!
mas lá foi, depois de me garantir que o bébé estava mesmo bem... daqui fui numa maca para um quarto qualquer intermédio, com o bébe ao lado e com o miguel...
eram 2:22 quando nasceu...
estive com o miguel até ás 4h, depois mandaram-no embora, levaram-me a passear pelo hospital e eu a sossegar o meu bébé.. consolávamo-nos uma o outro...eu já sentia que o protejia, debaixo dos lençois, ao entrarmos no elevador e a percorrer os corredores de um hospital á noite, com a perspectiva de quem está numa maca,,, vê-se muito em filmes... um plano picado, de baixo para cima...
o meu pequenino...rôxo de frio...avisei as enfermeiras que o levaram para lavar e vestir..que estava roxo... e foram medir os niveis de O2 etc....
fiquei no quarto do hospital a agradecer tudo o que se tinha passado... até que mo trouxeram e de-lhe de mamar e conforto. e depois meti-o na caminha dele, e escrevi muito... passei a noite a reviver tudo... com ele deitado de barriga para baixo sobre a minha barriga, para ficar quentinho.
escrevi muito foi mais de manha...ainda sem sono...estou sem sono até hoje. só consigo dormir quando o miguel toma conta dele, no fim da madrugada e manha... só nessa altura é que tenho sonhos... de resto é passar pelas brasas.. em alerta..
nos dois dias seguidos fiquei no hospital.. uma empregada de limpeza dizia-me em crioulo:-Outra vez no 'côlu', máis essi bêbê tá sempri nu côlu...!?
e eu pois tá. para ficar mais quentinho...
Fez-me impressao os outros bébés a gritar com maes que nao os conseguiam acalmar. vou fazer algo sobre isso,. um cartaz, a explicar como acalmar um bebé. elas lá não explicam... mas um bébé até aos 3 meses é mais um feto do que um bébé. tem que se reproduzir o que eles tinham no utero. Há que pegar neles ao 'côlu' muito muito muito.Não se pode militarizar logo.!
Agora já o tenho há 4 dias e parece que o tenho há dois meses! cresce imenso... Há que aproveitar bem.. bom, parece que estou aqui há horas,,, mas ao menos já tenho a historia registada...nunca me quero esquecer...
Guida Casella

Bosch

...e as amendoeiras já estão em flor...

sábado, 19 de janeiro de 2008

TABACARIA


Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
à parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a pôr humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.

Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.

Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei-de pensar?

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Génio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho genios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicómios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
Não, nem em mim...
Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora génios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.
Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
Ainda que não more nela;
Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta
E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
Crer em mim? Não, nem em nada.
Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
O seu sol, a sua chuva, o vento que me acha o cabelo,
E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
Escravos cardíacos das estrelas,
Conquistámos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordámos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,
Saímos de casa e ele é a terra inteira,
Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.

(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)

Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
A caligrafia rápida destes versos,
Pórtico partido para o Impossível.
Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,
Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
A roupa suja que sou, em rol, para o decurso das coisas,
E fico em casa sem camisa.

(Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
Ou não sei que moderno - não concebo bem o quê -
Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
Meu coração é um balde despejado.
Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
A mim mesmo e não encontro nada.
Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)

Vivi, estudei, amei e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente

Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.

Essência musical dos meus versos inúteis,
Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
Como um tapete em que um bêbado tropeça
Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.

Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o desconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, e os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,

Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.

Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?),
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.

Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.

Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.

(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.
O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheco-o; é o Esteves sem metafísica.
(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu.

Álvaro de Campos

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

É um átomo a mais que se animou...



"Vem por aqui" - dizem-me alguns com olhos doces, Estendendo-me os braços, e seguros De que seria bom se eu os ouvisse Quando me dizem: "vem por aqui"! Eu olho-os com olhos lassos, (Há, nos meus olhos, ironias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali...

A minha glória é esta: Criar desumanidade! Não acompanhar ninguém. - Que eu vivo com o mesmo sem-vontade Com que rasguei o ventre a minha mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde, Por que me repetis: "vem por aqui"? Prefiro escorregar nos becos lamacentos, Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos, A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi Só para desflorar florestas virgens, E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada! O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós Que me dareis machados, ferramentas, e coragem Para eu derrubar os meus obstáculos?... Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós, E vós amais o que é fácil! Eu amo o Longe e a Miragem, Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! tendes estradas, Tendes jardins, tendes canteiros, Tendes pátrias, tendes tectos, E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios. Eu tenho a minha Loucura!

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura, E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém. Todos tiveram pai, todos tiveram mãe; Mas eu, que nunca principio nem acabo, Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções! Ninguém me peça definições! Ninguém me diga: "vem por aqui"! A minha vida é um vendaval que se soltou. É uma onda que se alevantou. É um átomo a mais que se animou... Não sei por onde vou, Não sei para onde vou, - Sei que não vou por aí.


José Régio, Poemas de Deus e do Diabo
(José Régio in Cântico Negro)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Ultima hora

ASAE PRENDEU O CARDEAL PATRIARCA
É a notícia do dia, a ASAE decidiu inspeccionar uma missa na Sé de Lisboa para inspeccionar as condições de higiene dos recipientes onde é guardado o vinho e as hóstias usadas na celebração. Depois de sugerir ao cardeal que se assegurasse que as hóstias têm um autocolante a informar a composição e se contêm transgénicos e que o vinho deveria ser guardado em garrafas devidamente seladas, os inspectores da ASAE acabara por prender o cardeal já depois da missa, depois de terem reparado que D. José Policarpo não procedia à higienização do seu anel após cada beijo de um crente.
A ASAE decidiu encerrar a Sé até que a diocese de Lisboa apresente provas de que as hóstias e o vinho verificam as regras comunitárias de higiene e de embalagem, bem como de que da próxima vez que cardeal dê o anel beijar aos crentes procede à sua limpeza usando lenços de papel devidamente certificados, exigindo-se o recurso a lenços descartáveis semelhantes aos usados nos aviões ou nas marisqueiras desde que o sabor a limão seja conseguido com ingredientes naturais. O
Jumento sabe que a ASAE ainda inspeccionou a sacristia para se assegurar que D. José, um fumador incorrigível, não andou por ali a fumar um cigarro, já que não constando nas listas dos espaços fechados da lei anti-tabaco as igrejas não beneficiam dos favores dos casinos pois tanto quanto se sabe o inspector-geral da ASAE nunca lá foi apanhado a fumar uma cigarrilha."
O JUMENTO

Dona Ermelinda

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

VIRÚS


Foi descoberto um vírus ameaçador chamado "trabalho". Se receberes "trabalho" dos teus colegas ou do teu chefe, não tenhas contacto com ele em nenhuma circunstância!!! Este vírus apaga completamente a tua vida pessoal. Caso tenhas contacto com este vírus, pega imediatamente em dois amigos e vai directamente para o bar.
Pede três cervejas e depois de repetir o processo 14 vezes, fica tranquilo, o "trabalho" será completamente removido da tua cabeça.

Envia este aviso imediatamente para pelo menos 9 amigos.
Se perceberes que não tens 9 amigos, significa que já estás infectado pelo trabalho e estás a perder conexão com os amigos. O "trabalho" já controla a tua vida... cuidado!!!!









PRÉMIO


Recebemos um prémio, sim, foi ganho, não comprado como seria de esperar!! Dizem que não é um mau blog, se calhar até é mas como não dissem nada, pode ser que até não seja MUITO mau! Obrigado "Sorrisos em Alta"; Aceite o prémio!!
Como manda a lei, este prémio vai ser agora atribuido a 7 blogs que são:
1 - Nós e as Nossas Coisas.
2 - Nós e as Nossas Coisas
3 - Nós e as Nossas Coisas
4 - Nós e as Nossas Coisas
5 - Nós e as Nossas Coisas
6 - Nós e as Nossas Coisas
7 - Nós e as Nossas Coisas
brincadeira, eles são:
1 - Nós e as Nossas Coisas.
2 - Nós e as Nossas Coisas
3 - Nós e as Nossas Coisas
4 - Nós e as Nossas Coisas
5 - Nós e as Nossas Coisas
6 - Nós e as Nossas Coisas
7 - Nós e as Nossas Coisas
Pronto agora a sério eles são:
1 - Nós e as Nossas Coisas.
2 - Nós e as Nossas Coisas
3 - Nós e as Nossas Coisas
4 - Nós e as Nossas Coisas
5 - Nós e as Nossas Coisas
6 - Nós e as Nossas Coisas
7 - Nós e as Nossas Coisas
Ok! Não nos podemos nomear, então :
1 - Gaspar
2 - dupla personalidade
3 - chico online
4 - no silêncio do teu olhar
5 - mike goes este
e como sou eu a fazer isto sozinha e como uma forma de "pagamento"
6 e 7 - sorrisos em alta

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

NO BAÚ DE UMA TRINTONA - IX


Nota: Sim, sou eu, linda, mas talvez um pouco chateada por ter de usar o ridiculo do chapeuzinho! Parecia querer dizer " Ó meu estás a gozar comigo, queres levar uma "perinha", olha bem para as minhas mãozinhas; atreve-te e chega cá, que já vais ver!!! Vamos lá ver!!"

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

menos arvores cortadas

colocar este código no final dos email's pode salvar alguma flora ...

P

Antes de imprimir este mail pense bem se tem mesmo que o fazer...
Before printing this message make sure you really need to...

o codigo é:

<span><font color="#008000" face="Webdings" size="5">P
<font size="1"><br>
Antes de imprimir este mail pense bem se tem mesmo que o fazer...<br>
Before printing this message make sure you really need to...span>

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

César Casella Coelho


as meninas de Odivelas que se cuidem,
olhem que eu sou giro
ass: No name boy

Os oceanos necessitam da sua ajuda!




Os oceanos estão em perigo.
Muitos cientistas acreditam que a principal ameaça a esses ecossistemas é a exploração excessiva.


Se as coisas continuarem assim, daqui por algum tempo, os oceanos ficarão vazios. Para que isso não aconteça, a Greenpeace entra em acção para que amanhã possamos continuar a ter peixe e para proteger os nossos oceanos.

Precisamos de si!


Durante os próximos três anos, a Greenpeace tem a oportunidade de trabalhar na Europa para parar a comercialização de peixe capturado em zonas sobre-exploradas, ou capturado através de técnicas piscatórias insustentáveis. Desta forma, vamos agir para que as políticas de compra de peixe sejam clarificadas e melhoradas.

O primeiro passo é ir ao supermercado mais próximo recolher informação sobre o peixe que está à venda. Como consumidor, tem o direito de saber a origem do peixe que compra!

Olhamos com esperança para o momento de começar a trabalhar em conjunto para um futuro verde e pacífico!

[ Participe agora! ]

[ Mais informação...]

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Concurso a não perder

Grande oportunidade de visitar a China

Ganhe duas passagens com todas as despesas pagas para os Jogos Olímpicos de Pequim 2008

Para participar é fácil. Basta observar a foto em anexo, responder correctamente às seguintes questões e reencaminhar a resposta para o Comité Olímpico Internacional.

  1. Qual o aluno que demonstra sinal de cansaço (sono)?
  2. Quais são os irmãos gémeos?
  3. Quantas mulheres estão no grupo?
  4. Boa sorte!!!


domingo, 6 de janeiro de 2008

nariz vermelho não é sinónimo de bêbado :o)

vejam também em www.umahistoriadogaspar.blogspot.com

Dia de Reis


O Dia de Reis, segundo a tradição cristã, seria aquele em que Jesus Cristo recém-nascido recebera a visita de "uns magos" , três Reis Magos, Gaspar, Belchior e Baltazar e que ocorrera no dia 6 de janeiro.

Ao chegarem ao seu destino, os Reis Magos deram como presentes ao Menino Jesus:
Ouro (oferecido por Belchior): este representa a Sua nobreza;
Incenso (oferecido por Gaspar): representa a divindade de Jesus;
Mirra (oferecido por Baltasar): a mirra é uma erva amarga e simbolizava o sofrimento que Cristo enfrentaria na Terra, enquanto salvador da Humanidade, também simbolizava Jesus enquanto homem.
e o bolo rei já comeram?

Enquanto esperamos...


Um jogo

http://www.travian.pt/

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

JÁ ESTÁ

"JÁ ESTÁ"

Foi com esta simples mensagem que recebi esta grande noticia.

A Guida já é mãe
O Miguel já é Pai
O feto já é filho

Parabêns mãe
Parabêns pai
Parabêns filho

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Confidencial: Jantar de Natal


O Fumo

02.01.2008 - Anónimo, LISBOA
A proibição de fumar em locais fechados está levantar uma onda de protestos que era de esperar, dada a mentalidade de uma parte dos fumadores. Já ouvi argumentos de todos os géneros, alguns perfeitamente absurdos. Um deles, é o de que o acto de fumar é uma questão de democracia. Isto é, o fumador tem o direito de envenenar com substâncias comprovadamento cancerígenas, o seu vizinho do lado. A ideia de deixar aos proprietários desses locais a decisão de proibir ou não, é no minimo ingénua, para não lhe chamar outra coisa; todos sabemos o que se iria passar. Só espero que o governo, com esta maioria que lhe permite fazer tudo o que lhe apetece (bom ou mau) use essa força para fazer cumprir a lei.

02.01.2008– Anónimo, Barcelos
Mais nada!!! A lei é para cumprir a bem da saúde de quem não tem culpa dos vicios dos outros!! O tabaco devia era custar 10 euros o maço!! Agora é que eu me rio dos viciados do fumo que durante anos pensaram que os pulmões dos outros tambem eram deles!! Agora acabou meus lindos.. Devia ainda ser mais restritiva!! Mas lá chegaremos.

02.01.2008 - Anónimo, LISBOA
E o senhor Antonio Nunes, Inspector Geral da ASAE, que foi visto e fotografado a fumar no Casino Estoril, publicamente e já com a lei em vigor, já foi autoado, JÁ FOI DESTITUÍDO? Ou, todos nós, como ele, estamos também dispensados de cumprir a lei? O PAÍS QUER SABER!!!

02.01.2008 - Anónimo, Porto
Para quem tem memória curta, relembro que dos seus e dos meus impostos sai o dinheiro para subsidiar a trocar de seringas, DENTRO DAS PRISÕES. Ninguem se questiona como é que a droga lá chega, quem ganha com isso ... Tadinhos são toxicodepentes ... E não me venham com o argumento de mer.. que não faz mal aos outros, o drogadito só se prejudica a si mesmo. É por isso que está na prisão, que está cheia de gajos porreiros com azar na vida (já não se pode fazer uns assaltozitos e é-se logo apanhado c/direito a prisa). Acabem com a hipocrisia ! Deve ser o único País no mundo em que um toxicodependente está no topo da hierarquia, e um fumador é um criminoso a abater.


02.01.2008 - Anónimo, Oeiras
Sou fumador e já sentia ambiente pesado nos restaurantes em finais de 2007..., com os outros, os que não fumam e com o despeito de abutres a salivarem por apontar na certa data. 2008 cumpri, com mais ou menos
esforço, sentem-se os olhos alheios a vaguear nos caixotes, à só sacos e vazios...mas o ar continua pesado com a vontade de fumar.


quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Lisboa Bike Tour 2008


Qual é o percurso?
O percurso tem início no tabuleiro da Ponte Vasco da Gama e termina no Parque das Nações.

Qual a distância do Lisboa Bike Tour?
Cerca de 13 km.

Qual é o preço?
60€.

O que inclui o kit LBT?
Bicicleta, Capacete, Mochila, T- shirt, medalha, diploma, bomba de ar, bebida e brindes promocionais.

Quando terminam as inscrições?
Quando atingido o limite.

2008

O quê, já chegámos a 2008, e ninguém me avisou de nada??????? Como ??????? Passagem de ano já foi?????? e ninguém me avisa de nada??????? e eu é que sou ruím?????? Como??????? Já acabou o 2007?????? Mas acabou como??????? Esgotou-se???????? Mas afinal quem foi o " " que acabou com o 2007???????? Que falta de chá??????? Nem avisa nada???????? É como o papel higiénico!!!!! O último não se acusa?????? Eu gostava era de saber quem foi!!!! Dava cabo dele num instante!!!!! Mas digam a verdade, acabou??????? ACABOU MESMO?????? Mas nem dei por nada?????? e o 2008 quem o introduziu????????? Foi à sucapa?????? Certo?????? Mas por quem???????? Estava com pressa, de certeza!!!! Eu ainda vou descobrir quem!!!!! Vou, Vou!!!!!


BOM ANO, MELHOR QUE O OUTRO!!!