terça-feira, 3 de junho de 2008

O cubo,
cada face uma oculta,
cada lado o oposto,
lá em cima o que está em baixo suporta,
a metafisica quadrada tão simples e aguda onde se unem,
sou centro e vivo de fora,
não sei de que lado mas transparente,
à noite e só, escuto a forma cubica centrada,
como um cristal de aço fundido ou congelado,
por vezes um átomo encaixa e liberta,
por vezes um vazio em tensão fissura,
lamento o espaço e a distância paralela que nos separa,
a distância adimensional do que se afasta

3 comentários:

Leão disse...

...uns são esferas, outros chatos
as piramides no topo uno
como as paralelas no infinito...

neorui disse...

isto é do pessoa?
campos?

fi disse...

Não é do pessoal, é pessoal :)