quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Para TI

Amo-te,
promete-me que não sais daqui,
sou nada mas completo de ti,
sou distante mas penso em nós,
falo de mim para te rires,
falo de ti como o único fuste da ponte
que nos dista dos encontros,
estou ali em carga constante,
elevo as massas com o teu pesar,
tatuado com teus beijos
lavo-me com o teu corpo,
adormeço na seda do teu olhar
reparo em mim num ponto
a virgula de ti que me faz continuar.

Pistola encravada

Dispara!
Não quero magoar
Olha que ele dá-te.
Aproximou-se e sangrou o santo.
Lá em cima olhou para o lado e reconhece alguém.
Já há muito que não te via, perdi tudo por consideração.
Não sinto nada, só vejo o que não conheço
vai para outro lado, fazes recordar as imagens que magoam.
Fugi, fiquei sozinho e contemplei.
recordei o que deixei, apertado e retorto dei por mim em pranto.
corri, andei e paro no abismo, dexei-me ir, abri os olhos
alguem diz; foi por um fio.
Fiquei com a navalha no bolso para o que der e vier...

José e Pilar

Finalmente ontem fui ver o filme José e Pilar.
Talvez por não ter nenhumas expectativas sobre o filme, foi uma surpresa muito, mas muito agradável.
O Miguel Mendes (realizador) esteve lá, e no final respondeu a algumas perguntas.
Não é bem um filme, porque ninguém está a representar, nem é bem um documentário, porque conta uma história de amor, satiriza a imprensa, os próprios fans do Saramago e os políticos, tudo isto cheio de humor.

Aconselho.

sempre a considerar