quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Pistola encravada

Dispara!
Não quero magoar
Olha que ele dá-te.
Aproximou-se e sangrou o santo.
Lá em cima olhou para o lado e reconhece alguém.
Já há muito que não te via, perdi tudo por consideração.
Não sinto nada, só vejo o que não conheço
vai para outro lado, fazes recordar as imagens que magoam.
Fugi, fiquei sozinho e contemplei.
recordei o que deixei, apertado e retorto dei por mim em pranto.
corri, andei e paro no abismo, dexei-me ir, abri os olhos
alguem diz; foi por um fio.
Fiquei com a navalha no bolso para o que der e vier...

1 comentário:

duARTEE disse...

seja bem vindo, gostei